sexta-feira, 1 de maio de 2009

JOÃO CACHAÇA

João cachaça era apelido
De um homem que vencido
Pela pinga só sofreu
Era ele um peregrino
Que andava sem destino
Pois da vida ele esqueceu

E morando ali sozinho
Num barraco sem carinho
Quem lhe espera é sua dôr
Por viver amargurado
Esconde que no passado
Fora um homem de valor

Um dia foi encontrado
Em seu barraco jogado
Da cachaça João morreu
Sem contar sua amargura
Carregou pra sepultura
Um grande segredo seu

E chegando a policia
Com auxilio da pericia
Nesse seu barraco entrou
E mostrando um tenente
Ao doutor ali presente
Um diploma que encontrou

E com calma o delegado
Ao falar daquele achado
Enaltece ao portador
Fez cruzar suas mãos divinas
Pois formado em medicina
João cachaça era doutor

3 comentários:

Neneca Barbosa - Um ser humano em evolução! disse...

Muito bonita e bem construida a poesia, "João Cachaça".Parabéns amigo!
Um abraço!

Rosa disse...

Muito bonita e comovente. Infelizmente a cachaça destrói os seres humanos, e aqui meu amigo voce conseguiu mostrar com sentimento a dura realidade.Parabéns.

Jane Andrea disse...

Que grande sensibilidade a sua. Parabéns amigo!!!